Translate this blog

Pesquisar este blog

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Ministério do Turismo: por que um ministério útil?

Por: Tânia Omena, Pesidente da ABBTUR Nacional – Associação Brasileira de Bacharéis em Turismo

Mais do que dizer tradicionalmente que crises trazem mudanças e soluções, devemos considerar que crises conduzem à objetividade, prioridades e sensibilização dos atores envolvidos direta ou indiretamente com ela.

Daí surge a grande lição, nada é tão mais importante do que buscar caminhos e ou mesmo atalhos, que possibilitem ultrapassar as dificuldades que vêm à tona nessa fase. As questões existem e são levadas adiante até que a crise se instale, portanto, a crise não é causa, é mais do que sintoma, são os problemas expostos.

Como todos são mobilizados pelas necessidades e riscos há a abertura para o entendimento, a parceria e o compromisso com as ações, tudo em novo espaço de tempo.. Na crise são exercitadas palavras como tolerância, solidariedade, integração, mas também são afloradas as competências e capacidades, se alteram valores e surgem oportunidades, são acionadas as ciências, estudos e pesquisas, sem desconsiderar a experiência e boas práticas menos científicas.


O Setor de Turismo é sensível a qualquer tipo de crise pois envolve pessoas, relações e espaços diferentes e que se misturam, estabelecem necessariamente muitas trocas de caráter economico-financeiro, social, legal. Inevitavelmente sofrerá com tais interferências, sejam globais como as atuais crises ou pontuais, quando questões por exemplo climáticas ou políticas ocorrem nos países, sejam eles nossos emissores ou receptores.
Portanto é de se supor que os governos e as representações empresariais e institucionais do Turismo devessem estar, se não preparadas para as crises, atentas para suas potenciais ocorrências. Aí reside a grande questão, pois estar alerta significa e precisa investir em pesquisas e em profissionais voltados para o estudo e análises constantes, que formem um quadro histórico e sempre renovado, com visão projetada para o futuro e suas perspectivas. Significa compor grupos, comissões especializadas e temáticas, estabelecer redes de informação.
A visão de movimento e geração de fluxos de visitantes e resultados de mercado são importantes, mas consequência de análises de contextos e cenários maiores e hoje, mais do que nunca, globais.

Nesse sentido o Brasil tem a oportunidade de fazer o melhor, não porque tem um território privilegiado e fantástico mas por poder trabalhar uma ampla visão para seu futuro turístico, aliar o foco do mercado, que por décadas tomou como prioridade e se inserir na reflexão maior de um fenômeno humano, social e político, que é o Turismo.

O status dado ao Turismo com a instituição de um Ministério abriu novos caminhos e estabeleceu balizamentos para o Setor, que se já se faziam necessários, considerando a maturidade da nossa história e o momento que se descortinava para o turismo no mundo.

No sentido político e oficial desde as relações parlamentares até a posição do Turismo frente à mídia houve uma alteração completa do discurso e das relações pois o Turismo passou para outro patamar de discussões e rintervenções.

No aspecto mais amplo e popular sabemos o quanto marcou a existência da EMBRATUR, que ainda hoje confunde a compreensão das pessoas comuns, afinal foi nossa representação maior por muitos anos e fez do marketing institucional brasileiro uma das suas maiores atuações. Porém a presença e mais, a ação do Ministério vem se consolidando. Acredito que positivamente o Salão do Turismo, por exemplo, seja a maior das vitrines, além dos programas de comercialização segmentados que vêm abordando o mercado de forma diferenciada.

O Turismo se faz presente hoje numa transversalidade tal que abrange 11 outros ministérios e desse modo apoia e integra realizações e eventos de relevância para o país, nas mais diversificadas temáticas e setores, com enfase no ambiental, cultura, esportes, educação e mercado de trabalho.

Ou seja, o Ministério cumpre o papel de um grande articulador do Brasil, como deve ser o Turismo. Incentivar fluxos de visitantes, captar eventos e negócios, trabalhar a imagem institucional só tem sentido se a ação interna for mais forte e expressiva do que a atuação externa, a partir do seu papel fiscalizador e no exercício das relações institucionais e legais, até mesmo com a aplicação da Lei Geral do Turismo.

Por outro lado, a existência de um ente oficial dessa ordem vem possibilitando o enfrentamento de questões cruciais, de forma integrada ao conjunto das necessidades do país como, aliás, deve ser, visto que o Turismo é mais um setor e uma das opção de desenvolvimento.

O Brasil sofre hoje a conseqüência da falta de formação e qualificação de governantes e pessoas que passaram por entidades, órgãos e cargos de gestão pública e trabalharam mal as políticas públicas e a preparação do futuro do país, o que não é privilégio apenas do Turismo, com carências e dificuldades de estruturas e infra-estruturas para se desenvolver de forma equilibrada, representando grandes fragilidades para o turismo brasileiro.
Por incrível que pareça não tratamos da falta de recursos financeiros e interesse em investimentos por parte da iniciativa privada, fmas tocamos de questões sociais, infra-estruturais, corrupção e falta de ética, aspectos que deixam uma pesada carga para o país, cotidianamente.
Nosso país tem a si mesmo como maior desafio. Dentre tantas aspectos que impedem o real desenvolvimento, vencer seus vícios e tradições históricas negativas, utilizar a força de seus potenciais em todos os setores, melhorar a educação e tratar as questões de estrututas e infra-estruturas das cidades, melhor índices de saúde, assumir posturas e padrões ambientais mais comprometidos, tratar a segurança pública e estabelecer novos horizontes nas demandas da Justiça e da Política do país.

Como o Turismo é uma consequência desse conjunto de vida de um destino, pouco representam as belezas e recursos atrativos para fazer frente e bem desempenhar a realização dos grandes eventos. O estabelecimento de todos os meios e compromissos assumidos nas fases da captação dos mesmos tem como fator preponderante a presença e de certa forma a gerência do Estado/governo, como maior investidor e responsável pelo ordenamento e composição do programa de realizações. A participação dos apoiadores, investidores, patrocinadores e demais parcerias, inclusive da sociedade civil, dependem dessa ação, sua clareza e lisura.


O tempo, e portanto os prazos, são fundamentais para o andamento do projeto como dos megaeventos que dependem de grandes obras e suas licitações, liberação de verbas, demandas paralelas que sempre ocorrem e até de condições climáticas favoráveis para os calendários de execução.

Para o Turismo todas essas questões são importantes e estabelecem uma certa “fiança” que o mercado precisa assumir pois precisa trabalhar com antecipação de programas e reservas, se preparar para as demandas pré, trans e pós evento, difíceis de serem tratadas sem um “norte” governamental, claro e realmente integrado nos níveis de gestão federal, estadual e municipal.

Nesse contexto encontra-se a preparação de pessoas, formar para qualificar, capacitar e treinar, com vistas a estabelecer novo entendimento sobre a importância do servir, com qualidade e num ambiente coletivo de hospitalidade. As ocupações do Setor devem ser vistas como efetivas e não temporárias, a geração de postos de trabalho devem traduzir a evolução ano a ano da chegada do evento com posterior manutenção de mercados e fluxos.
Por tudo que já se colocou até aqui, podemos afirmar que o Turismo é um integrador de todo o conjunto de vida e esforços em prol de uma nação e uma sociedade. Valoriza, dignifica, gera benefícios e produção, oportuniza e permite às localidades refletirem sobre suas condições e possibilidades num imenso e importante mercado de nivel local até o global.
Para tanto há que se ter clareza quanto à compreensão do que seja o Turismo visto pelo olhar de sua interpretação maior: um Fenômeno (Turístico), de caráter espacial e social que precisa ser devidamente conhecido, estudado e tratado através de políticas públicas de estado e envolvimento intersetorial, de outro uma Atividade (Turística), econômica e produtiva, capaz de gerar riquezas e promover trocas dinamizadoras de desenvolvimento.

Na avaliação da nossa Entidade, representantes dos Tuirsmólogos do país, a ABBTUR – Associação Brasileira de Bachareis em Turismo, o panorama para o Turismo brasileiro é bastante animador e estimulante. Em contrapartida teremos que exercitar a convivência em parcerias, os acordos e as ações conjuntas, benéficas para a maioria e não para grupos. O Turismo só pode ser bom e propiciar resultados positivos se o benefício for comum.

A atuação do MTur hoje não só reforça essa organização do Setor mas, sobretudo, estabeleceu-se dessa forma, com a Gestão Descentralizada do Turismo, na qual todos tem sua parcela de envolvimentos e ações. Não há obrigação mas a opção pelo processo instituido pelo MTur.

Cada ente desse processo representa seu grupo e deve transitar com informações e compartilhamento, reforçando suas redes e suas bases. Assim o exige o Turismo como Fenômeno, que se reflitirá numa Atividade mais equilibrada.
Atingimos patamares para um Turismo mais amadurecido e vivo nos municípios e comunidades, independentemente da existência de fluxos de visitantes tradicionais, mas de clientelas de um novo mercado de consumidores, mais sensíveis e conscientes da importância dos nossos territórios, culturas e comunidades. São mais independentes e no entanto mais observadores de formas de preservação e respeito local, “consomem” a experiência, a vivência e as relações.

Por outro lado o Turismo, com sua evidente presença e importância na e para a sociedade brasileira, nunca teve tantos estudos, monografias, novas e diferenciadas empresas e entidades dadas à responsabilidade social. Dados e estatísticas, pesquisas qualitativas, publicações, fortalecem a área e o campo da Turismologia, oferecendo referências e colaborando com os mais diversos níveis de decisões.


A cada dia saímos da era do “achismo” para conhecimento e competências reais, dentro de um contexto no qual se destaca o Turismólogo, profissional egresso dos cursos superiores de graduação em Turismo criados há 40 anos pelo MEC para desenvolver estudos com a seriedade e profundidade que o FENÔMENO TURÌSTICO exige, com resultados e perspectivas positivas para municípios e comunidades, desempenhando importante papel frente a Secretarias governamentais, assessorias e consultorias em políticas públicas, projetos e empreendimentos de desenvolvimento local.

Portanto o pleito dos Turismólogos abrange além do seu reconhecimento profissional, o respeito técnico para o setor turístico, em âmbito institucional, público e privado, com o cumprimento das proposições éticas preconizadas pela OMT – Organização Mundial do Turismo e assim respondendo porque o Ministério do Turismo é um ministério útil.

Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2011.